Aviso!

ATUALIZAÇÃO em: 04/08/20

Oi, gente, o servidor atualizou e, com ele, algumas postagens tiveram trechos que tomaram um chá de sumiço. Estou tendo de atualizar tudo, então se virem alguma coisa, podem comentar (usando uma conta Google) nos comentários dos posts, okay - que assim, sou notificada (porque quando comentam pelo face, não aparecem para mim, infelizmente). Ah! Algumas imagens também tomaram chá de sumiço e outras postagens perderam a formatação. Mas, com o tempo, tudo se ajeita, né...
Desculpem o transtorno!

quarta-feira, 26 de junho de 2019

THAIDRAMA | Tra Barb See Chompoo

Escolher resenhar Tra Barb See Chompoo como primeiro thaidrama da sessão, não sei se será a minha melhor escolha... Talvez, eu me arrependa. Ou, talvez, não. Isso porque eu não sei bem como definir o que achei deste Lakorn! - Se eu pudesse definir esse momento como 'um ponto de interrogação no meio da minha testa, brilhando de modo fosco e murcho', creio que seria a melhor representação da minha total falta de maturidade para isso. - Não é o primeiro Lakorn que assisto. Eu poderia fazer resenha de Kleun Cheewit que, mesmo passando raiva, eu amei! Mas, não, tô aqui me aventurando com este que continua uma incógnita pra mim. - Palmas!
Tra Barb See Chompoo foi hiper comentado durante sua primeira "aparição" no Brasil e divide opiniões. Pudera! É complicado defendê-lo, mas é compreensível quando alguém diz que gostou. Principalmente, se esse alguém é fã de lakorns que, geralmente, seguem a mesma pegada, mesma estrutura e essência, tirando aqueles voltados para um público mais adolescente, como os da U-Prince Series (com exceção do "The Handsome Cowboy"). Eu poderia ter iniciado a sessão com Full House Thai e Kiss Me com o Mike Angelo... Estou inconformada de que minha inspiração tenha vindo com Tra Barb See Chompoo. Sério, mesmo!
Eu mesma não sabia se torcia para felicidade da prota e do 'pai comunitário' ou se desejava que corvos e abutres devorassem o que restou depois de um trator passar por cima das bolas do prota e do 'junior' arrancado por um pitbull. - Sem exagero, okay!? - A verdade é que, engoli algumas cenas desagradáveis, xinguei pra cacete, e no final da história, me deparei com situações (que não me convenceram totalmente) que ficaram sem resposta (ou eu devo ter perdido alguma coisa) e  cujas quais outras situações (in)felizmente - porque, lembra? Não sei como definir o que achei e prefiro que você tire suas conclusões, assistindo. -  fizeram algum sentido no fim das contas, trazendo um desfecho até que satisfatório para alguns personagens, para outros nem tanto, mas pro casal terciário, perfeito!


Vou considerar esta resenha um desafio para mim: Se eu conseguir fugir das expressões "ranço", "embuste", "relacionamento tóxico" e "abusivo", zerei na vida. Quem me conhece, sabe que se tem uma coisa que me dá repulsa são essas quatro expressões. Digo porque, nem todas as ações podem ser generalizadas a isso, mas, atualmente, elas são usadas para qualquer história que alguém não gostou do protagonista porque ele não é perfeito como "deveria ser". E quem definiu isso? - Você não sabe? Nem eu. Mas, um monte de cagador de regra acha que pode definir o máximo aceitável. - Por este motivo, vou tentar me focar na história e na personalidade dos personagens principais (que é o que eu sei e estou acostumada a fazer) e vamos ver no que dá! Caso contrário, eu não usaria a empatia, aqui, mas a alteridade, o que traria uma resenha um tanto egoísta, uma vez que não faria jus à história e aos personagens em si, mas às minhas impressões, e mais nada. - E não é isso que eu me proponho a fazer por aqui. - Então, antes que eu desista, bora pra sinopse:

Gênero: Romance / Drama
Episódios: 24
Exibição: 2018
  • Sinopse: Kiew é uma sonhadora que costumava ver a vida de uma forma positiva, até que seu mundo cor-de-rosa muda quando sua mãe, doente, se casa com um antigo amor, e ela passa a morar na mesma casa que Peat, o filho de seu padastro. Peat, que esconde sua frieza cruel sob sua boa aparência, é o único herdeiro de um bilionário. Quando Kiew entra em sua vida, ele não pode esconder seu interesse por essa menina gentil e atrevida. Porém, ao vê-la em sua casa, seu mundo vira de cabeça para baixo, e ele se recusa a aceitar o novo casamento do seu pai, prometendo fazer de tudo para que a vida de Kiew e da mãe dela sejam um inferno. Para se vingar de mágoas antigas que ele possui com o pai, Peat irá passar por cima de tudo e de todos. Com ressentimento em seu coração, ele decide virar as costas para sua família. Após quatro anos, ele retorna para levar tudo de volta, e Kiew será a primeira pessoa contra quem se vingar, pois é o elo que atinge seu pai, em defesa de sua mãe. Ele será capaz de perder o amor de sua vida em nome da vingança?  

segunda-feira, 24 de junho de 2019

KEY | Face: Primeiro álbum solo (E como reconhecer a nós mesmos)

Eu, simplesmente, AMEI essa review! Cada linha, cada palavra escolhida, cada detalhe esmiuçado para falar com tanto carinho sobre o Key... É exatamente o tipo de review que eu gostaria de ter feito e não consegui. Rascunhei, rascunhei e rascunhei, e nunca ficava satisfeita! Fiz uma pequena (e bem rala) contribuição no texto, mas a essência é toda dela!
Tô lisonjeada que essa obra tenha se inspirado em algo que eu tenha feito! Quando me disse que "Me inspirei no seu", se referindo ao meu texto na Review de "The Story of Light ~Epilogue", meu coração se aqueceu, e eu chorei... Verdadeiramente tocada por isso!
Sem querer parecer piegas, mas isso me fez sentir importante, especial, única de uma forma diferente... justamente por admirarem tanto algo que fiz, a ponto de servir de inspiração a alguém, ainda mais quando essa inspiração resulta num trabalho tão lindo como esse! É uma sensação única! E digo mais: É lisonjeio porque não é um elogio pelo que sou de fora pra dentro, mas pelo que sou de dentro pra fora. É lisonjeio porque, acompanhando o SHINee, eu pude sentir o que eles sentiam, e senti junto com eles por ser shawol. Foram eles quem me inspiraram a desenvolver aquela Review, eles quem me ensinaram a superar as dores e a botar tudo numa caixinha de inspiração, somar com meus sentimentos e pensamentos, e jogar pro mundo... em forma de escrita. - Coisa que eu não conseguia fazer há muito tempo!
E, em pensar que essa minha review se conectou aos seus sentimentos e sensações com o álbum do Key, e juntos com a sua habilidade de escolher tão bem as palavras, criou isso... Nossa! Nem sei como explicar o quanto eu tô emocionada, o quanto tô soft, impactada e com aquela vontade de ouvir Key até não aguentar mais (o que é impossível, porque quem ama SHINee, ama cada membro do grupo, ama cada conquista e vitória deles. Ama o simples fato de ter nascido na mesma época em que eles! "Não aguentar mais" não faz parte do nosso vocabulário, porque o SHINee preenche todos as páginas!)
Você é uma fofa! E conseguiu passar, o que nem mesmo eu consegui, com maestria e numa puta perfeição! - (Mesmo não se dizendo, sequer, shawol. - Coisa que discordo!) - E, por concordar com todo o resto - absolutamente todo ele - e OBRIGADA POR PERMITIR COMPARTILHAR ESTA REVIEW POR AQUI - eis, com os devidos créditos:

~Review de autoria de Luísa Britto~

Hoje, eu gostaria de fazer uma análise e trazer alguns motivos porque você deveria, agora mesmo, escutar a FACE, o primeiro álbum solo do cantor sul-coreano KEY (do grupo kpop SHINee).
  • Disclaimer: Este texto é uma tentativa de passar em palavras o que essa obra, no caso álbum, afetou minha vida, e como ela pode afetar a sua. Já adianto que não possuo referências literárias para falar de música, nem sou antiga ou expert nesse mundo de kpop, porém, falo com o coração de quem curte música mesmo, de quem não tem medo de ser puxa-saco, ter 60 anos e admirar sucessos teens de 18 anos - o importante é a validade da música. Resumindo, esse texto é para eternos amadores de músicas, os quais escutam a mesma playlist como se fosse a primeira vez, não tem medo rótulos e estão sempre dispostos a entrar em novos meios musicais.

domingo, 23 de junho de 2019

KDRAMA | I'm not a Robot

Olá, dorameiros de plantão, sedentos por mais uma indicação! Quem teve sua iniciação no mundo doramático no final de 2017, talvez já tenha se aventurado em I'm not a Robot porque essa história foi muito - mas, muito mesmo! Ao ponto de eu esperar todo mundo ver, para então eu iniciá-lo, para fugir e esquecer dos spoilers que rolavam! - comentada durante sua exibição, durante quase todo o começo de 2018!


E, contudo, preciso dizer que quando o pessoal quer contar spoiler sobre um dorama empolgante, não está nem aí para fotos, vídeos, memes de conversas reveladoras ou conteúdo do clímax e desfecho, nem mesmo às regras do grupo que participam cujos quais exigem sinalização. O pessoal sai distribuindo spoiler como quem entrega panfleto na rua, sem quaisquer preocupações, e às vezes, dois por vez. - Alô, EU DORAMAStamo junto!Felizmente, meu grupo nem existia na época, então não posso culpá-lo. Hoje, embora existam (com bem menos frequência que nos outros) spoilers diversos, pelo menos lá, meu grupo de moderação é bem ativo e trava muitos spoilers nos comentários e tópicos... Orgulhinho, aqui! Pra vocês, oh: S2 coreano !!!
O fato é que, como conheço algumas pessoas que jogaram essa história lá pro fim da lista gigantesca - que eu ajudei a criar, é verdade - vim aqui - de cara lavada, mas com medo de apanhar - tentar fazer com que a joguem, não necessariamente para o topo, mas o mais perto possível dos "talvez eu comece esse, quando eu acabar este aqui". Já seria mais justo com o drama! Então, sem mais delongas, vamos ao que interessa!


Gênero: Romance / Fantasia / Suspense
Episódios: 32
Exibição: 2017 / 2018


  • Sinopse: Kim Min-Kyu (Yoo Seung-ho) é herdeiro de uma empresa de sucesso ligada a investimentos tecnológicos, mas vive uma vida isolada devido a uma alergia severa a outras pessoas e a perda de seus pais em um acidente de carro. Ele desenvolve erupções extremas que se espalham rapidamente por todo o seu corpo, uma vez que ele faz qualquer tipo de contato com a pele de outra pessoa. Jo Ji-ah (Chae Soo-bin) é uma mulher que tenta fazer com que suas invenções sejam reconhecidas, pois quer seguir os passos de seu pai. A vida dos dois se cruzam quando Ji Ah é convencida pela equipe do seu ex-namorado, inventor da robótica de Aji-3, a se fingir de robô para ser treinada pelo Min-Kyu. 

sexta-feira, 21 de junho de 2019

SHINee | Projeto shawol pretende mandar Selene 6.23 (SHINee) e Moon (JongHyun) para a Lua

E se eu te dissesse que podemos fazer com que o SHINee e o JongHyun sejam eternizados na Lua? 💎 


Bem, antes de mais nada, quem não conhece o SHINee precisa saber uma coisa muito importante: Este é o desejo e sonho de bastante significado para boa parte do fandom Shawol. Desde quando o JongHyun virou anjinho, nos referimos a ele, sempre olhando para o céu, apreciando as estrelas e, sobretudo, a lua.

Paginação numerada



Subir